CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS.


circulação em rotundas.

Porquê falar de rotundas? É muito simples tenho verificados que uma grande maioria dos condutores Portugueses não sabem fazer uma rotunda, e desejo ajuda-los afim de que: 1º não causem acidentes,2º poder livrar alguém de uma multa pois o dinheiro está muito escasso.

DEFINIÇÃO.

Define-se como rotunda um espaço de circulação rodoviária, com forma
geralmente circular, de encontro de várias vias de tráfego onde o trânsito
se processa em sentido giratório, num único sentido, em torno de uma
placa central geralmente circular e intransponível.

Embora existam diversos tipos de rotundas1
(desde as mini-rotundas de
pequena dimensão em meio urbano até às rotundas compactas de grande
dimensão) identificam-se geometricamente pela existência de uma placa
central de giração do tráfego e por ilhéus triangulares de separação de
sentidos no encontro das vias com o anel de giração.

As rotundas são intersecções que têm como objectivos.

1º-Aumentar a fluidez de trânsito.
2º-Resolução de conflitos de intersecção de vias.
3º-Reduzir o risco de acidentes e colisões.
4º-Reduzir o tempo de acesso e de passagem.
5º-Evitar sinalização semafórico ou dos agentes reguladores de trânsito.
6º-Reduzir a velocidade de circulação.
7º-Acalmar o tráfego em zonas urbanas.
8º-Enfatizar a transição de ambientes rodoviários ou alteração das características
físicas das infraestruturas (mudança do seu perfil transversal).

Promovem assim uma melhor qualidade de circulação e ainda constituem
normalmente locais de referência arquitectónica e cultural.

PRINCÍPIOS GERAIS.

O Artº 16º do Código da Estrada indica que nas rotundas o trânsito se faz
por forma a dar a esquerda à parte central da mesma, pelo que o trânsito se
efectua em sentido giratório retrógrado (sentido oposto ao dos ponteiros
do relógio).

De acordo com o Artº 31º, os condutores que se aproximam de uma rotunda
devem ceder a passagem a quem nela circula.

APROXIMAÇÃO E ACESSO À ROTUNDA.

Dentro das localidades, os condutores devem utilizar a via de trânsito
mais conveniente ao seu destino (Artº 14º), pelo que se a via de acesso à
rotunda possuir mais de uma fila de circulação no mesmo sentido, deve ser
seleccionada aquela que mais se adequa à saída que o condutor pretende
tomar dentro da rotunda.

Por este motivo, antes de entrar numa rotunda o condutor deve antecipadamente
preparar o acesso de acordo com o local onde pretende dela sair.

Assim, se pretende sair na 1ª saída ou na 2ª (numa rotunda pequena) deve
aproximar-se e entrar pela via da direita. Se, por outro lado, pretende circular
mais de metade da rotunda então deve entrar pela via da esquerda.
Veja este vídeo para compreender melhor.

2-Entrada na rotunda e saída na 2ª saída; 
Rotunda com 2 vias de circulação e com 1 via de entrada e de saída.

rotunda-2

3-Entrada na rotunda e saída na 1ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-3

4-Entrada na rotunda e saída na 2ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-4

5-Entrada na rotunda e saída na 3ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 1 via de entrada e de saída.

rotunda-5

6-Entrada na rotunda e saída na 3ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-6

De acordo com as regras da cedência de passagem, deve sempre ceder
a passagem o condutor que entre numa rotunda, considerando-se as
excepções reguladas por sinalização específica e localizada.

CIRCULAÇÃO NA ROTUNDA.

De acordo com os Artºs 13º, nº 1, o trânsito de veículos deve fazer-se pelo
lado direito da faixa de rodagem e o mais próximo possível das bermas ou
passeios, conservando destes uma distância que permita evitar acidentes.

Mas o Artº 14º, nºs 1 a 3 indica que sempre que, no mesmo sentido, sejam
possíveis duas ou mais filas de trânsito, este deve fazer-se pela via de
trânsito mais à direita, podendo, no entanto, utilizar-se outra se não houver
lugar naquela e, bem assim, para ultrapassar ou mudar de direcção.

Já o Artº 15.º assinala que sempre que, existindo mais de uma via de trânsito
no mesmo sentido, os veículos, devido à intensidade da circulação, ocupem
toda a largura da faixa de rodagem destinada a esse sentido, estando a
velocidade de cada um dependente da marcha dos que o precedem, os
condutores não podem sair da respectiva fila para outra mais à direita,
salvo para mudar de direcção, parar ou estacionar.

rotundas

ARTIGO 25.º

VELOCIDADE MODERADA.

1-Sem prejuízo dos limites máximos de velocidade fixados, o condutor
deve moderar especialmente a velocidade.
f) Nas curvas, cruzamentos, entroncamentos, rotundas, lombas e outros
locais de visibilidade reduzida.

A moderação da velocidade é introduzida pela própria geometria da rotunda
e pela existência frequente de passadeiras de peões, à entrada e à saída das
vias centrais de giração.
É por isso especialmente importante que o condutor
modere a velocidade e atenda aos limites máximos estabelecidos.

7-Entradas e saídas na rotunda – fluxo
de tráfego;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 1 via de entrada e de saída.

rotunda-7

8-Entradas e saídas na rotunda – fluxo de tráfego;
Rotunda com 2 vias de circulação com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-8

9-Entradas e saídas na rotunda – fluxo de tráfego;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-9

SINALIZAÇÃO.

À entrada da rotunda, o condutor deve assinalar a sua intenção de se
inserir na via da direita para sair na 1ª saída da rotunda, utilizando o sinal
de mudança de direcção da direita.

Se por outro lado pretender inserir-se na via central ou esquerda dentro da
rotunda, deve sinalizar para a esquerda.

Dentro da rotunda, enquanto circula na mesma via, deve manter o sinal
de mudança de direcção à esquerda, excepto se pretende sair ou mudar
para uma via mais à direita, caso em que deve utilizar o sinal de mudança
de direcção para a direita.
Em rotundas grandes, se se mantiver na mesma
via, não necessita de efectuar qualquer sinal.

Aconselha-se no entanto se circular pela via exterior (via mais à direita),
deve manter o sinal de mudança de direcção para a esquerda até à saída
pretendida, onde sinalizará para direita.

10-Entrada na rotunda e saída na 2ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 1 via de entrada e de saída.

rotunda-10

SAÍDA DA ROTUNDA.

Para sair de uma rotunda, tal como indica o Art 43.º do CE, o condutor deve
aproximar-se, com a necessária antecedência e quanto possível, do limite
direito da faixa de rodagem e efectuar a manobra no trajecto mais curto.

11-Entrada na rotunda e saída na 2ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-11

12-Entrada na rotunda e saída na 3ª saída;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-12

13-Entradas e saídas na rotunda – fluxo de tráfego;
Rotunda com 2 vias de circulação e com 2 vias de entrada e de saída.

rotunda-13

Sempre que muda de via dentro de uma rotunda, especialmente
quando pretende dela sair, verificando o trânsito à direita pelo retrovisor
direito e olhando para o ângulo morto lateral direito, sinalizando à direita e
então mudando para a via da direita junto à ultima saída antes daquela onde
pretende sair.

A Verdade Em Poesia, António Batalha,
Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto,Meus Poemas,Deus,Jesus Cristo,

Anúncios

Sobre Antonio Jesus Batalha

Um Peregrino..
Esta entrada foi publicada em CIRCULAÇÃO EM ROTUNDAS. com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Obrigado e volte sempre.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s