Meus Poemas-68.

FOI ASSIM.

Olhei para mim e esperei
o que nunca chegou
Então cansado das raízes
que perto me detiveram
Sem nome de voz,
A voz sem nome mui perto,
mas distante,
festas sem vozes,
E a voz que não encanta.
Mas quando,
com solidão me condecorou,
Com o cravo da ausência,
palavra que nada trazia
à riqueza da vida,
e de presença tão fria.
Então tranquilo,
aguardo em sossego,
A ânsia da grande onda,
Que na dança descontrolada,
como de nave rangendo,
Então fico e descanso,
Para morrer, vivendo.
Por: António Jesus Batalha.

Meus Poemas-68.

ARMADILHA.

Com essa cara de piedosa,
Enganaste muita gente,
Com esse ar de inocente,
Mas no fundo uma vaidosa.

A luz que de ti refletia,
Como que certa e verdadeira,
Querias ser conselheira,
Nem amizade em ti havia.

A confiança que então,
Havia, ou parecia haver,
Nunca deu pra compreender,
Nem saber, qual a razão.

Parecia que tinhas fé pura,
Mas isso em ti não existe,
És feita de matéria dura,
Pois a todos deixas triste.
Por: António Jesus Batalha.

Meus Poemas-68

CONFISSÃO.

Não fiques mais na prisão.
Tens em ti a claridade,
Para buscares a verdade,
E fazeres dela confissão.

Ergue tua voz ardente,
Com devoção e firmeza,
Verás que até a tristeza,
Corre de ti velozmente.

A confissão com ousadia,
Sem nenhuma covardia,
Faz de cada um vencedor.

A Palavra de Deus tem poder,
Para transformar o teu ser,
E te dar uma vida melhor.
Por: António Jesus Batalha.

A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto,Meus Poemas, Deus,Jesus Cristo,

 

Advertisements