Meus Poemas-17.

Meus Poemas-17.

MÃOS SANTAS.

Mãos furadas peito rasgado,
Chagas abertas, marcas imprimidas,
Que para salvar as almas perdidas,
Assim quiseste, ser crucificado.

Esse Teu grande amor revelado,
Que no teu corpo as marcas são lidas,
Livro que transformou as nossas vidas,
Dum triste futuro então marcado.

Na cruz mostras-te toda a piedade,
Amolecendo aqui toda a dureza,
Mostras-te ao mundo toda a verdade.

O amor do Cordeiro que do céu vinha,
Faz-me viver com toda a firmeza,
Dando nova vida à alma minha.
Por: António Jesus Batalha.

ANDORINHA

Vi uma andorinha voar,
Para os lados do seu ninho,
Vinha uma águia a piar,
Que lhe barrou o caminho.

A andorinha no caminho,
Levava flor no seu bico,
Que carregava pró ninho,
Bom ramo de manjerico.

Com aquela flor que vinha,
E murchou pelo caminho,
Deixei de ver a andorinha,
Ou ela não chegou ao ninho.

A águia que também caminha,
Voando nas veredas do céu,
Foi procurar a andorinha,
E ao encontrá-la, a comeu.
Por: António Jesus Batalha.

Meus Poemas-17.

VEM PRIMAVERA.

Passa por este lado primavera.
Para encher o prado de flores,
Enquanto sobe bem alto a era,
Enlaçando-se nos troncos em amores.

Canta o rouxinol suas melodias,
Saltita o pardal voa a andorinha,
Gozando o sol em seus lindos dias,
Como que de remorsos que ela não vinha.

Os dias quentes e longos começam então,
Onde o sol brilha com mais intensidade,
Dizendo-nos que muito breve chega o Verão.

As noites quentes com mais claridade,
Convidam a um passeio pelo fresco ao luar,
Antes que chegue a hora, a hora de se deitar.
Por: António Jesus Batalha.

EU ME RENDO.

A Tua Palavra é graça profunda,
Que conforta em tempo incerto,
Minh’alma quando moribunda,
E mostra oásis no caminho deserto.

Eu rendo minha vida a Ti Jesus,
O meu viver será somente Teu,
Pois Tua Palavra é minha vida e luz,
Que ilumina o caminho para o céu.

Na minha vida ao caminhar,
Vejo que há muita tribulação,
Como grandes ondas deste mar,
Sem saber, sempre qual a razão.

A graça em Tua Palavra contida,
Trás para mim o sabor da vitória,
A minha oração é por Ti ouvida,
Forças constantes na minha memória.
Por: António Jesus Batalha.

Meus Poemas-17.

ÁRVORE BENDITA.

Bendita és tu árvore florida,
Que em teus ramos me aninhei,
Água fresca no deserto nascida,
Fonte preciosa que encontrei.

No meu jardim plantada,
Como no oásis sua palmeira,
Ainda que pelos ventos soprada,
Arde em meu peito como fogueira.

As tempestades que vieram,
Os ventos fortes que passaram,
Os danos que então fizeram,
Foi os bens que em nós ficaram.

É bom ter-te na minha vida,
Da tua companhia eu gozar,
Árvore linda, árvore querida,
Para sempre eu te vou amar.
Por: António Jesus Batalha.

A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto, Deus,Jesus Cristo,

Advertisements

Sobre Antonio Ja.Batalha

Um Peregrino..
Esta entrada foi publicada em Poemas com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Obrigado e volte sempre.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s