Meus Poemas-16.

0

A MASCARA.

A mascara que envolveu teu rosto,
Ofuscando a realidade presente,
Encobrindo a verdade que ausente,
Escurecendo o lindo luar de Agosto.

Aquilo que dizes ser ainda não és,
Nem és aquilo que imaginas ser,
No entanto és tu que ficas a perder,
Se a mascara não cair aos teus pés.

Com o rosto descoberto na verdade,
Como imagem no espelho reflectida,
Mostram reflexos de uma nova vida.

Que em ti habite essa ansiedade,
De viver com o rosto em descoberto,
Trilhando assim o caminho certo.
Por: António Jesus Batalha.

ENSEJO

Como gostaria de encontrar palavras,
com que pudesse expressar,
o que por Ti eu sinto.
Porque as minhas palavras,
já se esgotaram há muito,
Não sou de teus filhos o melhor,
Eu Sei!
Sei também o quanto Tu me amas,
E o que valho para Ti.
Aceita o clamor de meu coração,
E a Verdade que está dentro de mim,
A qual bem conheces,
A minha vida te pertence,
Faz o que Te agradar fazer,
de minha vida.
Sou para Ti, sem querer, sem poder
e sem saber.
Que o verdadeiro amor,
cresça mais e mais no meu coração.
Tu me conheces.
Até, onde eu me não conheço.
Te amo.
Senhor meu Deus.
Por: António Jesus Batalha.

0

NOVO DIA.

Como um diluvio de luz ao despertar.
Como um rio descendo a montanha,
Desaparecendo o encanto de todo o luar,
Até acabar a luz que o mundo banha.

A bela flor que desabrocha da penha,
Como que querendo a calor agarrar,
Com receio que de novo não venha,
E depois fique triste sozinha ao luar.

A ave que empoleirada no silvado,
Canta uma canção que ela bem sabe,
Os visitantes que regressam ao prado,
Gozam da luz, antes que ela acabe.

A sombra que da montanha desceu,
Vai apagando aquela doce alegria,
Como um manto que se envolveu,
Até que surja de novo a luz do dia.
Por: António Jesus Batalha.

0

MENINO MAGRO.

Aquele menino magro,
Que para um pedaço de pão,
Assim revolve os caixotes,
Olha bem! É teu irmão.

Com maneira desajeitada,
Nariz sujo e pingando,
Olhos frios com lágrimas,
Mal tratado plos humanos!

Lutando para viver,
Nesta selva desleal,
Vai crescendo, crescendo,
Até ser homem,quem sabe?

Talvez servo do mal!
É dura,e pesada sua cruz.
O menino sem esperança.
É teu irmão, e de Jesus.
Por: António Jesus Batalha.

A SOLUÇÃO.

Se a tristeza te invade, ou a solidão,
E te sentes sozinho como num deserto,
E teu viver é como caminho incerto,
Na Palavra tu encontras a solução.

Ergue tuas mãos com humildade,
Em sacrifício de fé e de esperança,
Põe na Palavra a tua confiança,
E nas promessas de pura verdade.

Mostra a Deus a tua gratidão,
Com mente pura e renovada,
É tua vida por Deus provada?
Socorro virá pra ti como clarão.
Por: António Jesus Batalha.

A Verdade Em Poesia, António Batalha, Bíblia Sagrada, Ciência, Desporto, Deus,Jesus Cristo,

Advertisements

Sobre Antonio Ja.Batalha

Um Peregrino..
Esta entrada foi publicada em Poemas com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Obrigado e volte sempre.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s